15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Espetáculos

Portugalex - Entre o Fado e o Cante Alentejano no Casino do Estoril

 

O quarteto musical Portugalex veio de Beja ao LoungeD do Casino do Estoril provar que se pode juntar o Fado e o Cante Alentejano no mesmo palco.

 

Em uma hora de espectáculo com muito público (distribuído pelos espaços autorizados para o efeito para cumprir as medidas de segurança determinadas) este conjunto oriundo da capital do Baixo Alentejo trouxe de uma forma dinâmica e sem um alinhamento rigidamente definido, um repertório de temas tanto de fado como de cante alentejano alternando entre si.

 

Os seus elementos, Bruno Chaveiro na guitarra portuguesa, Buba Espinho na viola e voz, Luís Trigacheiro voz e o Mestre Luís Espinho também ele na voz.

 

Já entrando na fase final da actuação, convidaram para subir ao palco dois artistas,  vozes também de Beja, o duo Miguel e João, participantes no “The Voice Portugal”. Neste programa televisivo também entra em competição o cantor Luís Trigacheiro.

 

Num espectáculo fora do habitual, viveram-se dois estilos de música genuína portuguesa, pelos mesmos músicos e vozes.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

“White Christmas” no Casino do Estoril

 

“White Christmas” encheu os corações dos cerca de 300 espectadores do Salão Preto e Prata do Casino do Estoril num espectáculo repleto de temas de Natal no dia 16 de Dezembro.

 

Este musical teve lotação esgotada de acordo com as regras em vigor sobre a pandemia Covid-19. Perante esta situação, a produção decidiu avançar com uma data extra marcada para 30 de Dezembro.

 

O espetáculo em si percorre um repertório bem escolhido de temas de Natal, transversais às gerações e suas origens e com frequentes notas introdutórias acerca das peças musicais para que o público para além desfrutar delas e da acção em palco, também possa saber a sua origem. Por exemplo “Noite Feliz” ("Stille Nacht") que na altura foi escolhida para a missa da noite de Natal, à pressa, pois o órgão da Igreja decidiu não colaborar nesse dia e o padre recusava-se a celebrar a missa sem música. O improviso foi baseado num poema que o autor escrevera dois anos antes e musicado por um amigo seu. Com um ensaio com o coro ao longo da tarde, conseguiram em tempo recorde ter a missa de Natal com a música à guitarra pelos seus autores e acompanhada pelo coro da Igreja. Outra curiosidade sobre esta música está no facto que em 1914 ter feito parar a 1ª Guerra Mundial por 24 horas entre tropas alemãs e inglesas com um soldado alemão a cantar "Stille Nacht" e do lado Inglês a resposta não tardou com “Silent Night” e durante essas horas houve tréguas, paz e alegria. No Casino do Estoril a reacção do público a este tema foi uma grande ovação de pé aos artistas em palco.

 

Todo o palco estava revestido por uma decoração natalícia única, teve um jogo de luzes para que em conjunto com a componente musical também ela muito boa, cada tema tivesse a vida que teve.

 

A autoria e encenação esteve a cargo de Henrique Feist, nas vozes: Mariana Pacheco, Diogo Leite, Daniel Galvão, Valter Mira e o próprio encenador. Contou com a direcção musical de Nuno Feist que acompanhou ao teclado, e ainda a banda que foi composta para além de Nuno Feist, por guitarra, baixo e bateria. A produção é de João de Oliveira Pereira com a direcção técnica de Paulo Santos.

 

Em cerca de um pouco mais de uma hora houve animação num espectáculo natalício dirigido a todas as idades, num Natal que este ano está a ser fora do habitual.

 

No final Henrique Feist dirige umas palavras ao público agradecendo a sua presença no Salão Preto e Prata  apelando que assistam aos espectáculos, pois entre estes artistas presentes uns já não pisavam um palco há 8 meses e outros há mesmo um ano. Henrique Feist também esclareceu que o apoio à cultura deve vir da tutela enquanto o publico o que têm que fazer é vir entreter-se com  um bom espectáculo.

 

O encenador apela ao passar a palavra para também haver grande adesão para o próximo espectáculo de dia 30 de Dezembro.

 

Fez um agradecimento a toda a equipa que trabalhou nele e que não é vista pelos espectadores: som, luzes, back stage…

 

O desejo de um Feliz Natal para todos e Feliz Ano Novo.” Deseja Henrique Feist ao seu público antes do último tema deste musical.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

“Chiado Comedy Club” humor luso-brasileiro no Casino do Estoril

 

Um espectáculo de Stand-up Comedy, com o Grupo “Chiado Comedy Club” animou o Auditório do Casino do Estoril na noite de 10 de Dezembro.

 

Cerca de cem espectadores quebraram o gelo com a arte de seis comediantes, cinco portugueses e um brasileiro. Esta formação fez a diferença, a junção dos dois estilos humorísticos foi decisiva.

 

Como anfitrião Tiago Paixão deu início à noite com o seu humor, também  agradecendo ao público a sua presença como sendo “Fonte de inspiração e fonte de dinheiro”. Como sabemos o mundo das artes e espetáculos está a passar por uma fase complicada assim como muitos outros sectores.

 

Um palco, uma cadeira (embora pouco usada), um microfone, seis humoristas, público e muita diversão.

 

O seu humor passou por trocadilhos, piadas, interação com o público, numa hora de muito riso.

 

O brasileiro Rafael Titonelly aproveitou os trocadilhos de expressões usadas no Brasil cujo significado é completamente diferente em Portugal. Para além do riso, ensinou à audiência como a mesma língua tem expressões com significados muito diferentes conforme a sua localização.

 

Os humoristas tiveram também uma presença feminina, Mónica Vale de Gato que com a sua arte mostra que fazer rir é para todos tendo a humorista dominado a plateia durante a sua actuação.

 

Uma hora passou num instante com a companhia de humoristas “Chiado Comedy Club”:  Tiago Paixão (anfitrião), Hugo Schepens Melo, Rubem Branco, Mónica Vale de Gato, Rafael Titonelly e Pedro Luzindro.

 

Este espectáculo estava inicialmente programado para dois dias, com um elenco diferente de aristas, contudo foi reformulado para uma actuação única, ajustando a equipa.

 

O “Chiado Comedy Club” tem várias dinâmicas com a sua equipa luso-brasileira, que para além dos espectáculos, também dão Workshops de comédia entre outras actividades. Para quem gosta de Stand-up Comedy é interessante acompanhar o seu Facebook.

 

Esta foi uma produção da JP Beats com a “Chiado Comedy Club” no Auditório do Casino do Estoril.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

Pedro Moutinho em noite de Fado no Casino do Estoril

 

Pedro Moutinho animou o público do LoungeD do Casino do Estoril na noite de 9 de Dezembro com uma actuação de cerca de uma hora.

 

O conceituado fadista, percorreu temas transversais à sua carreira iniciada nos anos 90 nas casas de fado de Lisboa, contando já com seis discos gravados tendo o primeiro 15 anos. Esta noite contou com temas do seu último trabalho “Fado ao Contrário” lançado em 2019, assim como dois fados de artistas de referência um de Alfredo Marceneiro e outro de Ricardo Ribeiro. Pedro Moutinho já passou por muitos palcos em Portugal e no estrangeiro divulgando através da sua voz este estilo musical Património Imaterial da Humanidade. O fado faz parte da cultura familiar do artista, tendo referências familiares que influenciaram a sua carreira.

 

Pedro Moutinho conta com várias distinções sobre os seus trabalhos, tais como em 2003 o Prémio Revelação da Casa da Imprensa com o seu álbum "Primeiro Fado", três anos depois o seu segundo disco “Encontro” recebeu o Prémio Amália na categoria de Melhor Disco.

 

O fadista foi acompanhado por Diogo Lucena Quadros à guitarra Portuguesa e Luís Roquette na viola de fado.

 

Os temas abordados passaram por "Maldição", "Fado do Ciúme", "Leio em Teus Olhos",  "Bairro Alto", "Estranha Forma de Vida", "Fado de Outrora", "Meu amor sem Direção ",  "Romance Incompleto", "Saudades da tua voz ", "Ramo Batido", "Sem Sentido", "Colchetes de Oiro" de Alfredo Marceneiro, "Lisboa Menina e Moça ", "Quero tanto aos olhos teus" de Ricardo Ribeiro.

 

Já na fase final do espectáculo o seu público pediu por mais canções, Pedro acedeu o pedido com dois fados, mesmo após estes temas os espectadores ainda quiseram mais e o artista finalizou a sua actuação com um último fado.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem


 

 

Teresinha Landeiro no “Fado à Quarta-Feira” do Casino do Estoril

 

A jovem fadista Teresinha Landeiro actuou a 2 de Dezembro no LoungeD do Casino do Estoril, animando o seu público num espectáculo integrado nos ciclos do “Fado à Quarta-Feira”, durante cerca de uma hora. Foi acompanhada à guitarra portuguesa com Diogo Lucena Quadros e à guitarra de fado por Luís Roquette.

 

A artista com apenas 24 anos tem um percurso bem marcado no fado com uma voz promissora da sua geração. Tem presença assídua na casa de fado Mesa de Frades, em Alfama e tem participado em grandes eventos nacionais como o Festival Caixa Alfama, EDP Fado Café e NOS Alive. Além destes eventos também já levou a sua voz para palcos internacionais passando pela Colômbia, Argentina e Espanha.

 

Mesmo estando a cultura a passar por momentos difíceis, a fadista vai apresentar em 2021 o novo seu álbum “Agora”, com temas próprios revelando a sua persistência com um fado jovem e marcado pelos traços da sua personalidade artística.

 

Teresinha Landeiro foi sempre interagindo com o público ao longo da noite, explicando as canções que ia trazendo a palco e puxando por ele ao longo de alguns temas.

 

Os seus fados passaram por: “Fado Tango”, “Pechincha”, Perseguição”, “Franklin”, “Fado dos Sonhos”, “Lisboa à Noite”, “Carriche”, “Corrido”, “Recado a Lisboa”, “Alfama”, “Fado Isabel”, “Noite de Santo” finalizando com “Lisboa Antiga”.

 

Destes temas a fadista falou sobre os que eram sobre o amor, uns pelos bons motivos, assim como por um que escreveu por um amor mal sucedido.

 

No final da actuação a artista ainda apelou às pessoas para que adiram aos eventos culturais, frisando que a cultura é segura e que a cultura precisa do público.


Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

Depeche 101 no Casino do Estoril

 

A banda portuguesa Depeche 101, de tributo aos britânicos Depeche Mode, actuou no LoungeD do Casino do Estoril na noite de 27 de Novembro.

 

Numa hora e quarenta minutos revisitaram uma boa parte do repertório dos Depeche Mode, a icónica banda formada nos anos 80.

 

Esta banda portuguesa surge através do músico, produtor e seu director musical Paulo Ferro, fã incondicional da formação britânica. Paulo Ferro tem como instrumentos os sintetizadores e bateria electrónica, e conta com o vocalista Ivan D’ Almeida e ainda com João Serra Fernandes na guitarra, teclado e backing vocals.

 

O público que esteve bem representado ao longo do LoungeD do Casino do Estoril e esteve também sincronizado, vibrando ao som da banda do início ao fim do espectáculo. Já na sua fase final fez o pedido de mais temas fazendo com que a banda regressasse ao palco brindando o público com mais três temas extra.

 

As músicas que apresentaram nestes 100 minutos de concerto, passaram por “In your Room”, “World in My Eyes”, “It’s no Good”, “Strange Love”, “Precious”, “Policy of Truth”, “I Fill You”, “Enjoy the Silence”, “Never Let me Down Again”, “Striped”, “Behind the Whell”, “Question of Time”, “Pain”, “Walking in My Shoes”, “Wrong”, “Heaven”, “Personal Jesus”, e como temas extra “Black Celebration”, “People are People” e “I Just Can’t Get Enough”.

 

Nos tempos que correm a animação cultural é essencial para quebrar o “gelo” provocado pela pandemia Covid-19, desde que todos cumpramos as normas de segurança determinadas pelas autoridades de saúde. O Casino do Estoril é uma entidade que conta com várias certificações que permitem estes momentos de descontração musical e artística.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Lara Afonso no Casino do Estoril

 

O palco do LoungeD do Casino do Estoril, marcou o regresso de Lara Afonso ao mundo da música no dia 13 de Novembro, após um período de interregno.

 

A cantora tem um percurso musical com mais de 20 anos, tendo começado a cantar em diferentes bares da zona de Lisboa com covers famosos tanto da música nacional como internacional. Mais tarde investe num repertório de temas originais.

 

Neste dia de regresso ao palco, a artista pretende reviver num ambiente intimista temas com os quais se identifica incluindo alguns dos seus principais êxitos, sendo dos genéricos das telenovelas da TVI tais como “Amanhecer” da novela com o mesmo nome e “Feitiço” de “Feitiço do Amor”, assim como também as canções com que participou em duas edições do Festival da Canção da RTP “Alma Nova” e “O teu Segredo”.

 

O seu percurso profissional, embora tenha começado na música, pouco depois inicia também o trabalho como apresentadora na televisão, passando por vários programas de entretenimento em várias estações televisivas.

 

Contudo a componente musical teve uma interrupção que Lara Afonso terminou com este espectáculo marcando desta forma o seu regresso aos palcos como cantora.

 

Neste concerto partilhou o palco com Rui Barreto ao piano, músico com quem a cantora tem um longo historial de actuações e uma grande cumplicidade artística.

 

Lara Afonso é muito comunicativa com o seu público. Entre canções houve sempre espaço para umas palavras, cantou sempre a sorrir e não escondeu a emoção do seu regresso.

 

Nestes 90 minutos de concerto passou pelos temas: "I wanna dance with somebody", "Amanhecer", "Estou além", "Perfect", "Stand by me - Every Breath you take", "Nunca me esqueci de ti", "Don't let the sun go down on me", "Get here", "Alma nova", "Por quem não esqueci", "Coca Cola", "Porto sentido", "Deixa-me rir", "Smile", "Like a star", "I'll never love again", "O teu segredo", "Feitiço", "Summer of '69", "Be my baby", Love of my life", "A máquina".

 

Bom regresso à actividade musical!

 

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras em concerto solidário com a Refood

 

 

A Refood de Cascais organizou, com o apoio Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, um concerto solidário no fim da tarde de domingo 8 de Novembro no Auditório da Boa  Nova no Estoril.

 

O acesso ao concerto foi feito de forma gratuita mas solidária. Os bilhetes não tiveram custos, simplesmente os espectadores levaram alimentos não-perecíveis para reforçar o stock da Refood de Cascais para ajudar as famílias que têm referenciadas com necessidades no apoio alimentar.

 

 

Antes de dar o inicio ao espectáculo de uma hora e 10 minutos houve umas palavras de agradecimento da parte de Edmundo Silva, coordenador da Refood Cascais, e a introdução do Maestro Nikolay Lalov às peças interpretadas pela sua orquestra com o tema “Três Imagens Sonoras da Beleza”, com peças dos compositores C. Saint-Säens, W. A. Mozart e S. Azevedo. Já na fase final do concerto juntou-se à orquestra na harpa a solista Maria Sá Silva.

 

A lotação da sala estava reduzida a 200 lugares disponíveis para cumprir com as medidas sanitárias em vigor e houve a aquisição de 190 bilhetes.

 

 

A Refood Cascais conseguiu assim carregar mais de cinco carrinhos de supermercado bem cheios que já seguiram para o núcleo da associação, algumas verbas entregues em dinheiro e por transferência bancária, o que os ajuda a continuar a apoiar 70 famílias (182 pessoas)

 

Fotos do texto: Refood Cascais

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

João Chora numa noite de fado no Casino do Estoril

 

O fadista João Chora animou a noite de 4 de Novembro ao público do LoungeD do Casino do Estoril.

 

Trouxe a palco temas conhecidos de um repertório construído ao longo de cerca de 30 anos de actividade artística assim como também outros fados igualmente conhecidos. Esteve sempre acompanhado com a sua guitarra de fado e pelos músicos Diogo Lucena Quadros na guitarra portuguesa e Luís Roquette no baixo.

 

Embora João Chora tenha adoptado o fado como o seu estilo principal, é um músico multidisciplinar, tendo percorrido outros caminhos tais como música sacra, baile, popular, ligeira entre outros.

 

O artista está muito ligado ao Ribatejo, fez várias vezes a ponte de temas que ia apresentar com a região.

 

João Chora agradece o convite para tocar os seus temas neste ambiente intimista, uma vez em que o espectáculo está muito parado derivado às condições em que o país se encontra.

 

Diogo Lucena Quadros aproveitou a deixa do artista para agradecer também ao Casino do Estoril o facto de conseguir manter a tradição do fado à quarta-feira, algo que já é uma tradição que conta com muitos anos, permitindo animar estes serões aos visitantes do LoungeD com acesso gratuito.

 

Os temas, o músico trouxe a palco: “Fado Velho”, “Fado Isabel”, “Vianinha”, “Fado Magala”, “Guitarra Triste”, “Fado Pequenino”, “Canto o Fado”, “Andorinha que ninguém viu”, “O que digo à saudade”, “À beira Tejo”, “Fado Ribatejo”, “Canção do Ribatejo”, “O homem do Ribatejo”. Terminada a sua actuação e recebido um ramo de flores, o seu público não o deixou ir embora pedindo mais um tema. João Chora presenteou-os com “Fado das horas” e “Cantigas” ao estilo de Vieira do Minho.

 

Neste alinhamento musical destacou-se a meio do espectáculo uma Guitarrada desafiando os seus colegas de palco, num tema que não deixou ninguém indiferente.

 

O ciclo de fados à quarta-feira prossegue com Maria João Quadros no dia 11, seguindo-se António Pinto Basto no dia 18 e Sara Paixão no dia 25 de Novembro.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Madrediva no Casino do Estoril

 

O agrupamento musical Madrediva estreou-se ao público no Lounge D do Casino do Estoril a 23 de Outubro.

 

Sobre a direcção musical de João Serra Fernandes e ao som da sua guitarra, Liza Veiga com uma inconfundível voz, vencedora do Fox Music Awards nos EUA, sendo ela uma cantora multidisciplinar, que percorre os estilos musicais desde o fado a qualquer outro sem dificuldade. Em palco esteve também o experiente e talentoso pianista Rui Barreto, além de receberem um artista percussionista convidado para actuar num tema com esta recém formada formação musical.

 

Os Madrediva neste seu início viajam por clássicos da música portuguesa numa fusão que une o fado ao lírico de uma forma transversal.

 

Interpretaram temas tais como: “O Tempo”, “Gaivota”, “Com que voz”, Canção do mar”, “Povo que lavas no rio”, “Fado Malhoa”, “Triste sina”, “Lágrima”, “Amor a Portugal”, “Chuva”, “Barco Negro”, “Canção de embalar”, “A máquina”, “Sete mares” terminando com “Vinho do Porto”.

 

Embora neste momento estejam a visitar grandes temas da música portuguesa, está em mente avançar com temas originais.

 

Liza Veiga para além da sua contagiante voz, tem uma presença muito expressiva em palco e uma interação permanente com o público, do qual ela conseguiu identificar familiares, amigos e nomes da arte musical que fizeram questão de estar presentes no lançamento dos Madrediva.

 

Estando esta pandemia de Covid-19 a atravessar o mundo, e a área do espectáculo que está afectada como está, foi um verdadeiro acto de coragem de fazer o seu lançamento nesta altura. Como nota, esta direcção musical no tempo de confinamento animou as noites dos seus ouvintes gratuitamente através das redes sociais. “Tocou-se e cantou-se em tempo de guerra” quando neste momento ainda temos muitas actividades paradas. João Serra Fernandes e os seus amigos mostraram da sua arte para aliviar um pouco a dor ao seu público, colegas, assistentes e técnicos em que muitos deles ainda estão desempregados.

 

O Casino do Estoril tem a sua lotação reduzida e disposta conforme as indicações das autoridades sanitárias com o respectivo certificado “Clean & Safe” do Turismo de Portugal e aderiu ao serviço COVID OUT, Selo de Confiança, Clean Surfaces Safe Places, emitido pelo ISQ.

 

Mesmo com estas limitações no público, o lançamento dos Madrediva no Lounge D foi um sucesso.

 

Aguardamos pelos vossos próximos espectáculos!

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Noite de fado com Peu Madureira no LoungeD do Casino do Estoril

 

O Fado anima as noites de 4ª Feira no LoungeD do Casino do Estoril com um novo Ciclo de espectáculos. Num contexto em que as actividades musicais estão aos poucos a retomar a sua actividade pelo país fora, o Casino do Estoril está a presentear os seus visitantes com o Ciclo de Fado à 4ª Feira pelas 20h30 no LoungeD com entrada livre. Esta animação artística do nosso património musical segue nas próximas duas semanas os já anunciados Maura Airez, para o dia 21, e Francisco Salvação Barreto, para 28 de Outubro.

 

Pau Madureira subiu ao palco no dia 15 de Outubro durante uma hora num ambiente intimista e descontraído mostrando o seu lado artístico acompanhado por Diogo Lucena Quadros na guitarra e Luís Roquette na viola.

 

O artista passou por temas conhecidos do nosso fado, temas que influenciaram a sua carreira iniciada muito jovem. O fadista lembra-se de cantar desde muito novo nos serões em família. A partir daí desenvolveu a sua carreira passando pelas mais variadas casas de fado ao longo do país, tendo um dos seus pontos altos a participação em 2015 no Festival Caixa Alfama.

 

Como todos os artistas têm sempre uma influência, Peu Madureira não é excepção e inspira-se nos temas e carreiras de Alfredo Marceneiro, Maria Teresa de Noronha, João Ferreira-Rosa, Teresa Tarouca, Teresa Siqueira, José Pracana ou João Braga.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Periodicidade Diária

quarta-feira, 14 de abril de 2021 – 13:08:33

Pesquisar

Como comprar fotos

Reportagens fotográficas em preparação

- 3h do Estoril

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...