14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Exposição “As Batucadeiras de Cabo Verde” abre a 8ª edição do PERIFERIAS

 

A 8ª edição do PERIFERIAS -  Festival Internacional de Artes Performativas, abre com a exposição “As Batucadeiras de Cabo Verde”, que estará patente de 28 fevereiro a 17 março no MU.SA – Museu das artes de Sintra

 

Desde a sua primeira edição que o Periferias abre com uma exposição que tem por objetivos divulgar algumas temáticas ligadas às artes performativas, quer nos temas mais populares, técnicos ou eruditos.

 

A edição deste ano tem como tema Batucadeiras de Cabo Verde dando a conhecer uma arte popular que mostra uma tradição viva no mundo da lusofonia.

 

Presentemente o batuque é um dos géneros mais representativos do património musical da ilha de Santiago (Ilhas de Sotavento), expressão musical que remonta ao período colonial do sec. XVIII.

 

Tanto na sua vertente tida como tradicional como nas suas versões reelaboradas, o batuque é uma expressão viva e pujante, exemplo de resistência e adaptação aos novos tempos.

 

A expressão musical-coreográfica Batuque, é encontrado na ilha de Santiago, com características padrões, desde o século XVIII, sendo provavelmente o género mais antigo de Cabo Verde. A mais antiga referência encontrada é uma proibição datada de setembro de 1772, assinada pelo então governador Joaquim Salema de Saldanha Lobo:

 

“Zambunas propiciam desordens à noite com tanto excesso, que chega a ser por todos os fins escandalozos a Deus, e de perturbação às Leys, e ao sucego público, prencipalmente por effeito da intemperança dos que se deichão esquecer delles”. (...) “As sessões costumão concurer pessoas estranhas, ou que não pertencem a família de qualquer caza”.

 

Presentemente só se encontra na ilha de Santiago (Ilhas de Sotavento), e é na vila de Tarrafal onde se vive com mais intensidade este género musical. Todavia, há indícios que já existiu em todas as ilhas de Cabo Verde.

 

Segundo Carlos Gonçalves, o batuque não seria um género musical transposto do continente africano. Seria a adaptação de alguma dança africana (qual?), que depois teria desenvolvido características próprias em Cabo Verde.

 

Durante a colonização portuguesa, o batuque foi considerado «nocivo aos bons costumes», sendo chamado pelos termos de «música de cafres» e «música de africano». Hostilizada pela administração colonial e pela Igreja, foi durante a política do Estado Novo que essa repressão foi mais forte. O batuque chegou a ser proibido nos centros urbanos, e chegou a estar moribundo a partir dos anos 50.

 

Depois da independência houve um interesse em ressurgir certos géneros musicais, passando a ser valorizada com outras tradições populares. Nos anos 90 que o batuque teve um verdadeiro renascimento, com jovens compositores (Orlando Pantera, Tcheka, Vadú, etc.) fazendo trabalhos de pesquisa e conferindo uma nova forma ao batuque, sendo interpretado por também jovens cantores (Lura, Mayra Andrade, Nancy Vieira, etc.).

 

A partir da década de 90, encontra-se com frequência na imprensa e outras fontes, dados sobre este género como representação artística de Cabo Verde, na programação oficial em eventos culturais no estrangeiro, como por exemplo: A Expo 92, em Sevilha, Espanha; o Festival of American Folklife, da Smithsonian Institution, e belisam Washington DC, em 1995; e A Expo Lisboa, em 1998 são exemplos. até ser reconhecido como Património Cultural e Imaterial (PCI) Cabo-verdiano.

 

MU.SA - Museu das Artes de Sintra

Av. Heliodoro Salgado - Estefânia

2710-575 SINTRA

 

Periodicidade Diária

domingo, 22 de setembro de 2019 – 12:44:59

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...