13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Viaje até hà 4000 anos atrás e conheça o quotidiano das primeiras comunidades agropastoris da Amadora

 

 

Comemorações do Dia Internacional dos Museus Recriação Histórica do Clã de Carenque Museu Municipal de Arqueologia  18 maio | 10h00 – 17h00 
 
No próximo sábado, dia 18 de maio, entre as 10h00 e as 17h00, o Museu Municipal de Arqueologia organiza, em parceria com a ARQA – Associação de Arqueologia da Amadora, uma recriação histórica do Clã de Carenque, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Museus.

 


 
Neste dia, na Necrópole de Carenque, será possível viajar até há 4000 anos atrás e revisitar o quotidiano das primeiras comunidades agropastoris e perceber como era viver na pré-história. A caça, o talhe de pedra, a tecelagem, a produção de objetos em barro serão algumas das atividades abordadas. 

 


 
Além de uma visita guiada, e da recriação de um ritual funerário, irão realizar-se ateliês interativos de cerâmica, caça, agricultura, elaboração de adereços funerários, entre outros, a decorrer em simultâneo, nos quais o público poderá participar. 
 
Participação gratuita | Não necessita de inscrição.

Destinatários: famílias e participantes individuais.

 

Sobre o Núcleo Monográfico da Necrópole de Carenque

 

O Núcleo Monográfico da Necrópole de Carenque é um dos núcleos do Museu Municipal de Arqueologia e encontra-se aberto ao público, de forma permanente, desde 1999. A Necrópole de Carenque é constituída por três sepulcros coletivos escavados nos afloramentos calcários do Tojal de Vila Chã, entre Carenque e os Moinhos da Funcheira. Descobertos e escavados, em 1932, pelo arqueólogo Manuel Heleno, estes sepulcros revestem-se de grande interesse para a compreensão da nossa Pré-História, ultrapassando a importância local que inegavelmente possuem. Por isso encontram-se classificados e protegidos como monumento nacional, pelo Decreto do Governo n.º 26:235, de 20 de janeiro de 1936. A construção e as primeiras deposições de cadáveres que ali estão testemunhadas remontam ao final do Neolítico (3.º milénio a.C.), altura em que se vivia já na região uma economia de base agropastoril, evoluída sob o ponto de vista das tecnologias de produção pré-históricas. Organizam-se visitas guiadas para grupos organizados, sendo necessária marcação prévia.  
 
Morada: Serra das Brancas, Topo da Av. Luis de Sá 
 

 

Periodicidade Diária

terça-feira, 21 de maio de 2019 – 17:11:47

Pesquisar

Vamos ajudar a Oksana

Maryna Sribnyak
IBAN: PT50 0035 0614 0000 9327 930 65
SWIFT: CGDIPTPL
clicar na imagem para saber mais

Reportagens fotográficas em preparação

- Lisboa Belém Open

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...