13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Corridinho Algarvio - (I) - Nos "braços" da Sãozinha

Se fiz questão em marcar presença na prova rainha do calendário nacional, o POM 2008, fui obrigado a andar numa fona durante os quatro dias da competição. Com início em Tavira, passando duas vezes por Faro e terminando em Vila Real de Santo António, originou um autêntico frenesim para o casal da espécie de orientista.

Podíamos lá faltar ao evento, que atrai ao nosso país uma verdadeira caterva de estrangeiros (eram para cima duns quinhentos!), do melhor que existe na orientação mundial. Pelo menos ia ter o prazer de participar lado a lado (só nas partidas, hehe) com alguma da elite orientista. O tal toque internacional, para condimentar um pouco mais a carreira do “espécie”, que anda a passar por uns momentos menos felizes.

A sociedade CIMO / Fontainhas convidou-nos no primeiro dia para a propriedade da Conceição, quase nos limites da serra algarvia. Eu até nem conhecia a “senhora”, mas enfim…se ela não levava a mal…aproveitávamos a hospitalidade. Um terreno que me fez recordar um passado recente. Então não querem saber, que esta mata estava semeada de um tipo de arbustos, ainda aparentados com o célebre “tojo ulex”? Predominavam os vários tons de verde, que mau grado o dito parentesco, mostraram-se bem mais dóceis e com alguma facilidade na transposição, mas tendo em conta o seu exuberante porte, resultou que certos pontos se apresentassem pouco menos que invisíveis (à minha “frágil” vista, claro).

Não querendo dar desculpas de mau pagador, devo salientar que a minha modesta prestação, foi influenciada pelo agradável aroma que emanava do seio da “Sãozinha”. Um perfume a rosmaninho, ou a poejos, ou seria das acácias (?), que me foi embalando no seu “regaço”, sobretudo entre os pontos 8 e 12. Trinta minutos de verdadeira interacção com a floresta. Para picar estes quatro pontos, demorei quase tanto tempo do que despendi com os restantes dezasseis.

Foi um consolo para a alma, mas uma desgraça para o resultado final. Espero que compreendam, que não devo contrariar a minha personalidade. Se sou um rapaz sensível a estas “particularidades” da natureza, tenho é de desfrutar e pronto (estou em crer, que num destes dias me vão apanhar na floresta a apanhar borboletas, hehe).

Sinto alguma mágoa por não ter conseguido melhor performance, porque a qualidade deste mapa (penso que os mais cépticos se renderam) merecia mais empenho por parte do “espécie”. Não me posso queixar de falta de pormenores. Um relevo “soft”, caminhos q.b., uma série de lagos, vegetação com fartura, curvas de nível bem pronunciadas, apenas 4.200 metros de percurso e ausência de “pedrolas”, o que mais poderia eu desejar? –“Um pouco mais de atenção e nada de deleites”. Mas o que havia de fazer? Fiquei inebriado pelos “aconchegos” da Conceição (hehe) e só tenho uma pontinha de ciúme da mão cheia de companheiros, que ainda se deliciou mais tempo no “colo” da “Sãozinha” (mimalhos!!!).

Tentei não esmorecer, dado que a procissão ainda ia no adro. No dia seguinte, no Pontal, teria hipótese de corrigir estes erros “afectivos”, perdão…técnicos (sou um sonhador brincalhão!).

 

Periodicidade Diária

sábado, 23 de março de 2019 – 19:12:57

Pesquisar

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...