13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

80ª Volta a Portugal Santander

 

 

 

DE 1 A 12 DE AGOSTO AS BICICLETAS VOLTAM A REINAR NAS ESTRADAS PORTUGUESAS PERCORRENDO AS DIVERSAS GEOGRAFIAS DO PAÍS DURANTE A 80ª VOLTA A PORTUGAL SANTANDER, A MAIS ABRANGENTE DOS ÚLTIMOS ANOS.


Como nunca antes aconteceu, a prova vai começar em Setúbal. O Prólogo coincidindo com os festejos da emblemática Feira de Santiago, tradição com mais de quatro séculos de história, vai animar, ainda mais, o início da Volta. Será a Grande Partida da edição 80 da maior prova velocipédica portuguesa. No percurso há diversas estreias e assinala-se o tão aguardado regresso ao Algarve e com etapas totalmente alentejanas. No fim, Fafe onde a Volta é sempre brindada com banhos de multidão abre, pela primeira vez na história, a “Sala de Visitas do Minho” para atribuir os louros da vitória aos novos vencedores da Volta a Portugal em bicicleta.


Nas palavras do diretor de prova, Joaquim Gomes, “é uma Volta que para além do regresso ao Algarve e ao Alentejo será marcada pelo regresso da Covilhã e da Serra da Estrela, que se junta a Mondim de Basto e Fafe, como os dias mais decisivos.”
29  junho 2018


Do modo como foi desenhada a prova, onde todos terão oportunidade de se mostrar consoante as características de cada etapa, com alguns dos dias mais duros na última semana e com as míticas etapas da Sra. da Graça ao sábado e a Estrela ao domingo, o vencedor apenas será revelado no fim dos quase 1600 quilómetros de competição que terminam numa intensa luta contra o cronómetro.


Com 21 equipas participantes e um pelotão rejuvenescido que ronda os 150 homens, a 80ª Volta a Portugal Santander apresenta este ano cinco equipas internacionais do escalão Continental Profissional, o segundo mais importante na hierarquia da União Ciclista Internacional. Os novos regulamentos da Federação Portuguesa de Ciclismo permitem também a inclusão na prova de novas formações portuguesas.

 


MAIOR ENVOLVIMENTO COM A FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CICLISMO


A Volta 2018 é a primeira resultante do novo acordo da Federação Portuguesa de Ciclismo, no âmbito do novo contrato de concessão, que permite à Podium Events a organização da prova até 2025.


Este acordo mostra o reconhecimento pelo contributo significativo que a empresa tem dado ao ciclismo português e reforça o objetivo de valorizar, modernizar e internacionalizar o ciclismo português, especialmente a Volta a Portugal em Bicicleta, um evento de excelência, portador dos mais rigorosos padrões desportivos e éticos.


A VOLTA NO MUNDO DIGITAL


Na estrada, na televisão ou nas novas plataformas digitais, como a APP, o site e as redes sociais, os adeptos do ciclismo podem vibrar com a Volta a toda a hora. A Podium, empresa responsável pela organização do evento, criou um novo site www.volta-portugal.pt com forte incremento na área de acompanhamento das etapas em direto para facilitar o acompanhamento da prova não só pelos muitos amantes e aficionados do ciclismo mas também pelos profissionais da comunicação.


SETÚBAL NA GRANDE PARTIDA DA VOLTA A PORTUGAL


A prova começa com um curto, apenas 1,8 quilómetros, mas intenso contrarrelógio individual no centro de Setúbal na tarde de 1 de agosto. A ligação da cidade sadina à Volta remonta a 1927 quando foi organizada a primeira edição. Até agora a cidade já recebeu 16 finais de etapa neste evento que para além de toda a componente desportiva é, simultaneamente, uma grande festa popular que todos os anos apaixona os portugueses.


No dia seguinte, a primeira etapa também terá o rio Sado por perto porque começa em Alcácer do Sal. Até Albufeira onde terminará esse dia serão percorridos 191,8 quilómetros sendo o regresso ao Algarve 10 anos depois da última passagem da Volta.


Do extremo sul do continente português, a prova passará na segunda etapa para o pleno Alentejo. Em Beja terá início a tirada mais longa desta edição que chega aos 195,3 quilómetros com Portalegre a receber o final de etapa.


No sábado, 4 de agosto, a 80ª Volta a Portugal Santander faz uma homenagem solidária às populações atingidas pelos incêndios de 2017. Designada Etapa Vida a terceira tirada da prova terá 175,9 quilómetros e será discutida no percurso que vai começar na Sertã passando por Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Lousã, Góis, Arganil, Tábua e terminará em Oliveira do Hospital. A Podium Events, entidade que organiza a Volta, juntou esforços para lembrar as vidas perdidas e as regiões desoladas, mas sobretudo para enaltecer a valentia dos que puseram mãos à obra com o objetivo único de reconstruir a vida.


Ao quinto dia de competição, a Montanha entra definitivamente no léxico desta Volta e a Serra da Estrela é a protagonista. Guarda vai aplaudir a partida do pelotão que terá pela frente a subida ao ponto mais alto do território continental. Depois de chegar e contornar a Torre, a corrida desce a alta velocidade para Manteigas, irá na direção da Covilhã e vai subir para as Penhas da Saúde onde vão terminar 171,4 difíceis e marcantes quilómetros.


Antes de fechar a primeira fase da Volta 2018 ainda será preciso percorrer mais um longo dia. A quinta etapa com 191,7 quilómetros vai ligar o Sabugal a Viseu. Logo depois da chegada começam as atividades relacionada com o Dia de Descanso.


Depois da jornada de repouso, a Volta a Portugal Santander está novamente em ação e para uma etapa de novidades. Com mais de 90 anos de história a prova ainda consegue descobrir locais onde nunca esteve. A sexta etapa vai estrear a vila de Sernancelhe, no Distrito de Viseu, como local de partida. Até Boticas, que nos últimos anos tem assistido a diversos inícios de etapa, haverá 165,4 quilómetros e, pela primeira vez, a vila transmontana vai acolher um final de tirada.


Montalegre vai estar na partida da sétima etapa. A vila do distrito de Vila Real assistirá ao início de um dia de transição com 165,5 quilómetros que vai levar a caravana até ao miradouro de Santa Luzia, em Viana do Castelo.


No penúltimo dia de competição a região minhota estará plenamente representada na Volta. A oitava etapa vai começar em Barcelos e terminar em Braga passando uma primeira vez na reta da meta a faltarem 16 quilómetros para o final. Será a tirada em linha mais pequena desta edição com 147,6 quilómetros.


Com o aproximar do fim da Volta vai crescer a expectativa sobre quem poderá vencer este ano. O sábado começa com a nona etapa que vai com certeza contribuir para definir o vencedor ao sair de Felgueiras, como já não acontecia há nove anos, e terminar na sempre imponente e difícil Sra. da Graça em Mondim de Basto. Há três contagens de montanha de 1ª categoria na parte final dos 155, 2 quilómetros.


FINAL INÉDITO DA VOLTA A PORTUGAL EM FAFE

 

Para concluir a 80ª Volta a Portugal Santander faltará no domingo, 12 de agosto, o contrarrelógio individual da décima etapa com 17,3 quilómetros que se vai realizar em Fafe. Presença assídua na competição, a “Sala de Visitas do Minho” estreia-se como Cidade do Grande Final da Volta 2018.


Desde 1938 que Fafe surge no mapa da Volta a Portugal em bicicleta e já em duas ocasiões, 2011 e 2014, viu a prova começar na cidade. Entre partidas e chegadas de etapa, Fafe tem 32 participações na Volta. Em 2016, o município inovou ao trazer para o ciclismo o fantástico salto da Pedra Sentada do Rally de Portugal que este ano se repete. Em 2017, a cidade ficou também associada ao final da carreira e à última vitória enquanto profissional de Rui Sousa, um dos mais acarinhados corredores nacionais.


ETAPA VIDA


Profundamente ligada ao território, a Volta a Portugal em Bicicleta é um dos mais importantes veículos de promoção local. É também um evento com responsabilidades sociais e relações muito fortes com todas as populações que visita anualmente. Esta proximidade fez nascer a vontade de homenagear as populações atingidas pelos graves incêndios de 2017, o que vai acontecer com a Etapa Vida na terceira etapa da 80ª Volta a Portugal Santander. A 4 de agosto a ligação entre a Sertã e Oliveira do Hospital que vai passar por Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Lousã, Góis, Arganil e Tábua terá um significado muito para além da competição.


O movimento de solidariedade vai intensificar a promoção dos territórios e ganhará um simbolismo extra com o apoio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que deverá fazer o acompanhamento integral da Etapa Vida na caravana da Volta. Marco Chagas será o padrinho desta iniciativa, promovida pessoalmente pelo diretor da Volta a Portugal, Joaquim Gomes, e que se tornou possível sem custos financeiros para os municípios devido ao apoio conjunto de alguns dos patrocinadores da Volta - Santander, Liberty Seguros, altice, Jogos Santa Casa, Brisa - e ainda ao Turismo do Centro e a Fundação do Desporto, que financiam e oferecem a Etapa Vida aos concelhos do centro do país violentamente afetados pelo fogo.


VISEU, CIDADE DO DIA DE DESCANSO MIGUEL ARAÚJO EM TERRAS DE VIRIATO E 12ª ETAPA DA VOLTA VIA VERDE RTP


Viseu é uma das cidades que ao longo dos anos mais tem aplaudido a Volta a Portugal em bicicleta. O município é ponto de paragem da caravana, consecutivamente, desde 2003 e já contabiliza 64 presenças na prova, entre partidas e chegadas. Este ano, durante a 80ª Volta a Portugal Santander, Viseu recebe o final da 5ª etapa e todas as atividades do Dia de Descanso, a 7 de agosto.


No dia antes, Viseu vai encerrar a primeira fase da competição e terá pouco mais de 191 quilómetros ligando Sabugal a Viseu, com o pelotão a chegar à emblemática Avenida da Europa cerca das17h30. Terminada a etapa começam  as inúmeras e animadas iniciativas da autarquia e da organização da Volta para festejar a presença em Viseu. O Concerto da Volta de Miguel Araújo vai acontecer  no Largo da Sé, às 21h30. A Festa da Volta continua noite dentro na discoteca “NB Club”.


Na terça-feira, 7 de agosto, enquanto o pelotão profissional da Volta a Portugal Santander aproveita o Dia de Descanso para recuperar forças realiza-se em, Viseu, a já tradicional “Etapa da Volta” dedicada à comunidade cicloturista. A “Etapa da Volta Via Verde RTP” comemora o décimo segundo aniversário e está pela sexta vez em Viseu. A partida vai acontecer às 10 horas, na Avenida da Europa. Os cicloturistas vão fazer um percurso de aproximadamente 90 quilómetros, sendo os últimos 20 percorridos em “andamento livre”.


As inscrições para a 12ª Etapa da Volta Via Verde RTP estão abertas em www. volta-portugal.pt ou no site da Via Verde.


A 80ª VOLTA A PORTUGAL SANTANDER I comentada pelo diretor de prova Joaquim Gomes A 80ª edição da Volta a Portugal Santander além de apresentar a maior mancha no território nacional dos últimos anos, muito por culpa do regresso do Algarve e Alentejo, consegue, de modo equilibrado, unir com fases de adaptação, transição e recuperação, os dias mais exigentes da prova.


Entendendo a “Volta” como um fenómeno social com responsabilidades bem mais abrangentes, em analogia com aquelas que se esgotam no campo desportivo, conseguimos, ainda e sem qualquer redução de interesse competitivo promover, dando eco ao espírito solidário dos nosso parceiros, a “Etapa Vida” e avançar com estreias absolutas na prova como o caso da partida de Sernancelhe, a exigente Montanha de “Torneiros”, em Boticas, e, por fim, ver pela primeira vez, a milenar aldeia de Ermelo, em Mondim de Basto, abrir as portas do “Alvão” para a descoberta da subida, de 1ª categoria, à Aldeia de Barreiro. Em suma, é uma “Volta” marcada decisivamente pelo regresso da Covilhã e da Serra da Estrela, que se junta a Mondim de Basto e Fafe, como os dias mais decisivos.  No entanto, como dizemos na gíria do ciclismo, “todos têm um dia mau”, e neste particular importa estar muito bem em dias como a chegada a Oliveira do Hospital, Boticas ou Braga, que sendo dias de transição podem deitar por terra as mais legítimas ambições de chegar à vitória.


Prólogo: Setúbal (Contrarrelógio individual) > 01 agosto 2018 A Doca dos Pescadores e a recentemente inaugurada Av. José Mourinho, vão, desta vez, além do magnífico cenário da Foz do Sado, e da Serra da Arrábida, revelar o palco de início da 80ª Volta a Portugal Santander. Os 1800 metros, perfeitamente planos que separam a zona ribeirinha do Largo José Afonso, da Av. Luisa Todi serão o prenúncio dos primeiros dias de “Volta” em que os potentes velocistas levam vantagem.


1ª Etapa: Alcácer do Sal » Albufeira > 02 agosto 2018 Em jeito de despedida do Sado, a partida da 1ª etapa em Alcácer do Sal recupera, após longa ausência, o litoral alentejano e o Algarve para a “Volta”. Os 191,8 Km marcados orograficamente pelas travessias das Serras de Grândola e do Cercal serão percorridos, como acontece habitualmente no primeiro dia das grandes provas por etapas, com a típica tensão decorrente do processo de avaliação mútua entre os protagonistas a que se junta a irreverência daqueles que não sendo potenciais candidatos querem aproveitar já as oportunidades. Apesar de tudo, no final, a Av. dos Descobrimentos, em Albufeira, deverá assistir a uma chegada em pelotão compacto.


2ªEtapa: Beja » Portalegre > 03 agosto 2018 A ligação das capitais de distrito do Baixo e do Alto Alentejo é famosa, apesar de ter ocorrido pela primeira vez em 1935 e não se realizar há 20 anos. Com 195,3 Km, a maior etapa da “Volta” tem, apesar da ausência de montanhas, duros desafios pela frente. Porventura o calor, o vento, e eventuais fugas difíceis de controlar, a que se junta a grande extensão da etapa e um final que não sendo pontuável para a classificação da montanha vai provocar certamente o fracionamento do pelotão.


3ª Etapa: Sertã » Oliveira do Hospital > 04 agosto 2018 A denominada “Etapa Vida” que pretende simbolicamente emprestar o colorido da “caravana” à região mais dramaticamente afetada com os incêndios de 2017 desempenha do ponto de vista desportivo o papel de transição entre os dias orograficamente mais fáceis e o primeiro dia de alta montanha com chegada à Serra da Estrela. Recheada de prémios de montanha de 3ª e 4ª categoria será a travessia da Serra da Lousã, de 2ª Categoria, a endurecer definitivamente o perfil altimétrico dos 175,9 Km da “Etapa Vida”. A chegada a Oliveira do Hospital poderá revelar surpresas. De entre elas, talvez o atraso de algum dos potenciais candidatos.


4ª Etapa: Guarda » Covilhã (Penhas da Saúde) > 05 agosto 2018 Depois de dois anos consecutivos a receber o final da etapa “Rainha”, a cidade da Guarda apadrinha o regresso à Serra da Estrela. Com 171,4 Km onde se inserem os únicos Prémios de Montanha de Categoria Especial da “Volta”- Torre e Penhas da Saúde - separados apenas pelo Vale Glaciar e a cidade da Covilhã, esta etapa tem tudo para proporcionar uma magnífica jornada de ciclismo. Desportivamente, só os melhores vão chegar na frente!


5ª Etapa: Sabugal » Viseu > 06 agosto 2018 Na partida do Sabugal haverá dois factos perfeitamente constatáveis. Um pelotão fatigado, a precisar do dia de descanso em Viseu e uma classificação geral individual com claros indicadores de quem poderá, ou não, estar na corrida para a vitória individual e coletiva na 80ª Volta a Portugal Santander. Apesar da fadiga, e a juntar aos habituais animadores das fugas, mais ou menos consentidas, teremos os inconformados com a derrota da véspera que certamente vão proporcionar uma rápida viagem até Viseu, com a Avenida da Europa a encerrar a primeira parte da Volta.


6ª Etapa: Sernancelhe » Boticas > 08 agosto 2018 Estreia absoluta na Volta a Portugal, Sernancelhe será o palco de partida de uma etapa que tendo somente 165,4 Km poderá, até por ocorrer a seguir ao dia de descanso, provocar uma reviravolta na classificação. Num percurso lindíssimo onde sobressai a travessia da região demarcada do Douro será já no concelho de Boticas, em plena Terras de Barroso, a pouco mais de 16 Km da meta, que o Prémio de Montanha de 1ª categoria na, até agora desconhecida, aldeia de Torneiros, proporcionará uma das mais interessantes “batalhas” desta Volta. Boticas também uma estreia, em termos de finais de etapa, assume-se como um dos dias mais importantes da Volta.


7ª Etapa: Montalegre » Viana do Castelo (St.ª Luzia) > 09 agosto 2018 Apesar da despedida de Trás-os-Montes se registar a mais de 1000 metros de altura, em Montalegre, e o final no Minho, no magnífico Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo a pouco mais de 200 metros, nem por isso, os 165,5 Km de uma das mais belas etapas desta edição deixam de ser desafiantes. Com o cenário da albufeira do Alto Rabagão nos primeiros quilómetros, a convidar a altas velocidades será a partir da albufeira da Caniçada, em pleno Gerês, que as dificuldades se acentuam. Neste particular importa referir que coincidindo a chegada com um Prémio de Montanha de 3ª Categoria tal facto irá exigir redobrada atenção e obviamente exigência física aos principais candidatos.


8ª Etapa: Barcelos » Braga > 10 agosto 2018 O regresso de Barcelos vinca definitivamente a forte presença do Minho nesta edição da Volta. Apesar dos primeiros 50 quilómetros ondularem junto ao rio Lima nem por isso a mais curta etapa da Volta, com apenas 147,6 Km, será a mais fácil. Os santuários do Bom Jesus e Sameiro com duas passagens na parte final da etapa serão uma dura “provação” que nem todos conseguirão ultrapassar.


9ª Etapa: Felgueiras » Mondim de Basto (Sr.ª da Graça) > 11 agosto 2018 Em Felgueiras só mesmo o famoso pão-de-ló de Margaride poderá “adoçar” o “fado” aos “Heróis da Estrada” que perante a última etapa em linha da 80ª Volta a Portugal Santander terão de enfrentar, já no concelho de Mondim de Basto, três Prémios de Montanha de 1ª categoria finalizados no Monte Farinha aos 155,2 Km. Julgamos elevar desta forma a importância desta etapa ao legítimo nível que a passagem dos 40 anos sobre a primeira chegada à Sr.ª da Graça, em 1978, merece. Acredito, apesar da enorme expectativa que este dia levanta, que poderemos, ainda reservar a decisão final para o contrarrelógio de Fafe.


10ª Etapa: Fafe (Contrarrelógio individual) > 12 agosto 2018 A “Sala de Visitas do Minho” há muito que merecia esta distinção. O final da 80ª Volta a Portugal Santander tem um contrarrelógio individual com 17,3 Km mas com elevado grau de exigência. Abraçando algumas das freguesias mais representativas do concelho, este circuito fafense tem todas as condições para levar ao rubro a discussão pela vitória na Volta. Quase sem zonas planas será no empenho técnico das descidas e nas esforçadas subidas que os candidatos “sobreviventes” terão de se esgotar física e animicamente na busca da vitória com a certeza que depois de Fafe ninguém terá dúvidas sobre quem são os melhores da Volta.

 
 


 

terça-feira, 25 de setembro de 2018 – 23:17:29

Pesquisar

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...