14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

Notícias

Torneio Navidad: Um teste de nível europeu

As Selecções Nacionais de Cadetes estão já na província espanhola de Guadalajara, palco da 9.ª edição do Torneio Internacional local, naquele que será o último teste antes da participação nas poules de apuramento para o Campeonato da Europa de 2013.

Ricardo Rocha, treinador dos cadetes masculinos, salienta a importância desta competição, conhecida por Torneio Navidad, na preparação dos portugueses, a poucas horas da estreia frente à Selecção de Espanha, que inclui três cadetes que se sagraram, em Setembro último, vice-campeões europeus de juniores. 

“Para nós, é muito importante fazer jogos do nível daqueles que iremos encontrar na Poule de Qualificação para o Europeu.
A oportunidade de disputar este torneio em Guadalajara e defrontar três selecções muito fortes é excelente, pois vai dar para percebermos qual é o nosso nível actual e aquilo em que temos de trabalhar no curto espaço de tempo que falta até à participação na poule.
Nos jogos-treino realizados [Torneio Gala Volei], estes jogadores evidenciaram já pormenores do que temos treinado e mostraram ter consciência daquilo que ainda não conseguem pôr em prática.
É preciso que a nível competitivo não sintam a pressão e não comecem a fazer coisas que nós não pedimos... Acredito que isso não irá acontecer e que eles vão cumprir os princípios básicos que lhes transmitimos nos treinos ao longo dos últimos meses.
Vamos a ver o que acontece quanto aos resultados porque em termos do jogo em si creio que apresentaremos um bom nível”.

O Torneio Navidad servirá para limar que arestas?
“Há vários aspectos que temos de ter sempre em atenção:
Perceber o nível em que estamos, aquilo em que erramos mais, quais os jogadores que têm mais confiança em momentos decisivos dos sets e dos jogos.
A nossa estratégia tem de variar de jogo para jogo.
Analisaremos as outras equipas e tentaremos enquadrar o nosso jogo com o delas para lhes dificultar ao máximo a tarefa.
Pensar sempre que não somos inferiores a ninguém e que vamos entrar para ganhar”.

A resposta dada pelos atletas durante os treinos foi a esperada?
“O balanço do trabalho realizado até aqui é muito positivo. No último mês incluímos alguns atletas que não integravam o estágio permanente, alguns dos quais jogavam nos seniores, o que dificulta a integração num regime de internato e mesmo no regime semanal de segunda a quinta-feira.
A sua vinda elevou um pouco o nosso nível de treino e aumentou a concorrência entre os jogadores e isso reflectiu-se a nível de rendimento de treino”.

Paralelamente ao aspecto desportivo, uma das maiores preocupações da FPV é o aproveitamento escolar, ou seja, ter o corpo são, mas sempre com a mente sã...
“Sim, e isso está a ser conseguido. Eu também sou professor de Educação Física e considero que o mais importante nestas idades é a escola.
Se eles descurarem os estudos, perdem a vertente do Voleibol.
Temos uma política muito rígida nesse sentido: se não atingir os mínimos que consideramos normais e que são essenciais para o seu futuro em termos académicos, o atleta/aluno não joga na Selecção e é enviado para o seu clube.
Concordo plenamente com essa política e os próprios atletas têm a noção de que isso é o mais importante para eles, uns mais do que outros, como é lógico, já que nem todos têm os mesmos objectivos pessoais”.
 

Periodicidade Diária

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019 – 21:34:30

 

 
Feliz Natal e um
 
Próspero Ano Novo
 
 
Boas Festas!
 

 

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...