15 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Volleyball Challenger Cup em Gondomar

 

 

O Pavilhão Multiusos de Gondomar foi o palco escolhido para acolher, de 24 de Junho a 28 de Junho próximo, a mais importante competição que a Selecção Nacional de Seniores Masculinos vai disputar no próximo ano: a Volleyball Challenger Cup (VCC), que dará ao vencedor o direito de disputar a Liga das Nações (VNL) em 2021.

 

Ao anunciar hoje a atribuição da organização da VCC a Portugal, o brasileiro Ary Graça, Presidente da FIVB,  reconheceu:
"Estou muito satisfeito com o facto de a Volleyball Challenger Cup regressar a Portugal, pois, após organizar com sucesso a competição em 2018, fica claro que os adeptos portugueses são apaixonados por Voleibol e desejam a realização de um número cada vez maior de eventos de elite organizados no seu País."

 

Vicente Araújo, Vice-Presidente da FPV, salientou:
"É uma honra para a Federação Portuguesa de Voleibol ser seleccionada como anfitriã da VCC pela segunda vez. É uma oportunidade fantástica podermos receber em Portugal cinco prestigiadas selecções nacionais dos vários continentes e eu sei que nossos atletas se sentem empolgados por poderem lutar por uma presença na Liga das Nações de Voleibol 2021 perante o seu entusiástico público."

 

Recorde-se que Portugal disputou pela primeira vez a VNL em 2019, após ter conseguido vencer a final da Volleyball Challenger Cup 2018, em Matosinhos.


Em 2020, a Selecção Nacional, orientada por Hugo Silva, vai disputar a European Golden League, tentando repetir o feito de 2018 em que atingiu a Final Four da prova, pese embora o facto de o nosso país ser o organizador garantir, desde logo, a presença na Challenger Cup 2020, que será disputada em Gondomar.

 

 

Sandra Almeida, Vereadora do Desporto da Câmara Municipal de Gondomar, recorda o sucesso da organização da poule da VNL 2019, resultante da parceria frutuosa entre a FPV e a autarquia.

 

– O Pavilhão Multiusos de Gondomar vai voltar a ser palco de uma das mais importantes competições de selecções nacionais. O que é que a CM Gondomar espera de uma competição sui generis como a Volleyball Challenger Cup?


“Esperamos desde logo um grande espectáculo desportivo e elevados índices competitivos, diferentes tipos de Voleibol, atletas de topo mundial, em suma um espectáculo de alta competição de enorme qualidade. Acreditamos que estamos a contribuir para afirmação do Voleibol como uma das modalidades desportivas mais acarinhadas em Gondomar, contribuindo para o seu incremento e para o desenvolvimento genérico da prática desportiva. Esperamos, também, obviamente, promover a “marca” Gondomar, divulgando as inúmeras potencialidades desportivas, económicas, turísticas, de um município que é D’Ouro”.

 

– A equipa portuguesa disse que se sentiu em casa ao disputar a Liga das Nações 2019 em Gondomar… O que sentiu Sandra Almeida, como Vereadora e adepta, ao assistir in loco ao calor humano dispensado por Gondomar à Selecção Nacional de Voleibol?


“Senti orgulho em ser gondomarense e em ser Vereadora do Desporto deste município. Senti que vale a pena a nossa aposta no Desporto e na promoção de grandes espectáculos desportivos.
Não me recordo de ter visto em Portugal um jogo de Voleibol com a presença de mais de quatro mil adeptos, como no jogo com o Brasil.
O ambiente foi fantástico e o fair play entre jogadores e adeptos, algo verdadeiramente notável. É algo certamente para repetir. Deixo, na oportunidade, uma palavra de apreço à Federação pelo excelente trabalho que, com a nossa ajuda, efectuou na promoção e organização desse grande evento”.

 

– Acredita que os gondomarenses vão responder em força a este importante desafio da Selecção Nacional (regresso à elite mundial) e, tal como aconteceu na Liga das Nações, encher os pavilhões com o seu apoio e entusiasmo?


“Acredito que sim, por duas razões: desde logo, porque Gondomar é um município com ligações antigas, estáveis e permanentes ao Voleibol, com centenas de praticantes federados, centenas de crianças e jovens que praticam a modalidade nas suas escolas e inúmeros praticantes de recreio desta modalidade. Acredito, também, porque “Gondomar é Desporto”; existe uma natural apetência do nosso público para estar presente nos grandes eventos desportivo que felizmente temos vindo a organizar com frequência, nas mais diversas modalidades, fruto, também, do trabalho que desenvolvemos enquanto Cidade Europeia do Desporto 2017”.

 

 

O Seleccionador Nacional, Hugo Silva, não tem dúvidas sobre a importância de disputar «em casa» uma competição que permanece como o maior feito de uma selecção portuguesa de Voleibol e que permite o regresso à elite mundial da modalidade.

 

“No ano passado, a presença na Liga das Nações foi um momento de grande impacto para aquilo que nós queríamos, que era jogar ao nível mais alto. Foi uma experiência única e que teve uma resposta incrível por parte do público, que encheu o pavilhão em todos os jogos.
O nível que a nossa equipa demonstrou, precisamente nesta poule, foi um nível muito bom, o que revela que a equipa, no limite, consegue jogar de igual para igual, contra as melhores selecções do mundo.
É, por isso, uma experiência que todos nós queremos repetir”, confessa, salientando:
“A organização da Challenger Cup é fundamental para ambicionarmos uma nova presença na Liga das Nações.
Em 2018, quando organizámos pela primeira vez a Challenger Cup, fizemos uma Golden League que poucos esperariam: atingimos a Final Four, tivemos alguns resultados surpreendentes, que que estávamos a perder 0-2 e demos a volta e vencemos por 3-2, e talvez tenham sido esses jogos que motivaram ainda mais a equipa e a impulsionaram rumo à Final Four.
Na Challenger Cup estão envolvidas as melhores selecções de cada continente. Em 2018, fomos nós os representantes da Europa a conseguir erguer esse importante troféu, que continua a ser o de maior expressão conquistado pelas Selecções Nacionais e que, ninguém o esconde, seria um sonho poder repetir”.

 

“A Golden League 2020, e uma vez que vamos organizar a Challenger Cup, vai servir fundamentalmente para melhorar dois aspectos: continuar a introduzir jovens jogadores, esperando que aqueles que menos jogam nos nossos campeonatos possam rapidamente entrar no ritmo que nós queremos, pois precisamos deles; e para fazer evoluir aqueles que entrarem pela primeira vez, ou que o fizeram mais recentemente, na Selecção Nacional pois necessitamos de uma selecção na máxima força na Challenger Cup.
Temos plena consciência de que nunca será fácil, mas já mostrámos que é possível vencer uma competição tão importante”.

 

– Como interveniente directo no campo, enquanto líder da equipa técnica da Selecção Nacional, o que sentiu ao jogar em Gondomar?


“É o palco certo para uma competição deste nível. A paixão que as pessoas do Norte têm pelo Voleibol é muito grande e, para além disso, Gondomar é também uma cidade com tradição na modalidade.
Creio mesmo que é o local ideal para realizar um evento de tão alto nível em Portugal.
E será certamente mais um momento para reunir o Voleibol num espaço de referência que será certamente marcante para todos nós”.

 

 

Alexandre Ferreira, oposto de 2,00 metros e 28 anos de idade, é o capitão da Selecção Nacional e o porta-voz dos anseios dos seus companheiros de equipa.

 

– O que significa para a Selecção Nacional a oportunidade de poder vir a disputar outra vez a Liga das Nações?


“Fico contente por saber que vamos organizar a Challenger. É mais uma oportunidade para mostrar que podemos estar entre os melhores e de competir ao mais alto nível”.

 

– Olhando para trás, o que guardas na memória do momento em que venceste a Volleyball Challenger Cup em 2018?


“A VCC 2018 foi um grande feito, não só para a Selecção Nacional, mas para a modalidade em Portugal.
Foi uma época superpositiva, algo que não acontecia há já alguns anos”.

 

– Tomando como exemplo essa Volleyball Challenger Cup de 2018, quais são as exigências (físicas/mentais) de uma competição tão intensa (cinco dias) e que mistura representantes de diversas escolas de Voleibol?


“Tenho a certeza que será bem mais difícil do que a de 2018, pois teremos mais pressão em querer repetir e ganhar.
Até porque, seja quais forem, os adversários que iremos encontrar vão olhar para nós comos candidatos e virão mais preparados mentalmente para isso”.

 

– O apoio do público, que encheu o Multiusos de Gondomar na VNL, poderá pesar a favor de Portugal?


“Acho que tem vindo a crescer bastante o apoio à nossa Selecção e isso é muito bom! Ter aquele tipo de atmosfera no pavilhão é muito importante para nós! Espero que assim continue”.

 

 

Resumo da competição

 

A Volleyball Challenger Cup (VCC) é uma competição que reúne os vencedores continentais, decorrerá de 24 de Junho a 28 de Junho, no Pavilhão Multiusos de Gondomar e dará acesso à Liga das Nações ao vencedor da competição.

 

A VCC 2020 é disputada por:
• 1 Organizador (Portugal)
• 2 Primeiros classificados da European Golden League
• 1 América do Norte e Central
• 1 Ásia
• 1 América do Sul

 

As seis selecções qualificadas para o VCC Men competem em duas poules de 3 equipas cada no sistema de todos contra todos.


Os dois primeiros classificados de cada poule avançam para as meias-finais cruzadas.


O vencedor do Volleyball Challenger Cup Masculinos qualifica-se para a Liga das Nações 2021.

 

Após vencer a Challenger Cup em 2018, a Selecção Sénior garantiu a qualificação para a Volleyball Nations League (VNL) de 2019, expressão máxima no Voleibol de alto rendimento mundial da Federação Internacional de Voleibol (FIVB).

 

 

Periodicidade Diária

segunda-feira, 28 de setembro de 2020 – 06:42:26

Pesquisar

Como comprar fotos

Reportagens fotográficas em preparação

- 12 Horas do Estoril - Pitlane-Treinos Livres
 
publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...