14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Treino de Armas da Academia de Esgrima Histórica

 

No Sábado dia 15 de Fevereiro, a Academia de Esgrima Histórica organizou um treino na Sala de Armas de Algés, um momento que teve tanto de especial como de abrangente.

 

Os Infantis praticaram Rapier Infantil e Espada de esponja, esta última na modalidade dos Gladiadores na luta em equipa, de 3 x 3 assim como 5 x 5, com um árbitro como os seus auxiliares a controlar a pontuação das equipas em prova.

Já os adultos trabalharam a técnica da Espada Longa medieval, Espada Roupeira setecentista e a Adaga de mão esquerda setecentista.

 

Fernando Brecha, o Mestre de Armas, aplica na Academia uma filosofia interessante em que as aulas das crianças são gratuitas, quer ensinar alunos de todas as condições sociais, com problemas ou sem eles, inclusivo e com diversidade. A propósito da inclusão, Fernando Brecha está a desenvolver em conjunto com uma instrutora um projecto de uma aluna autista para ela vir a dar aulas a crianças com autismo de forma a dar-lhes mais qualidade de vida com a prática da Esgrima Histórica. O Mestre tem cerca de 200 alunos ao longo das várias Salas de Armas, sendo 140 crianças e 60 adultos. As Salas de Armas da Academia estão localizadas em Algés, Aveiro, Barreiro, Braço de Prata, Loures, Museu Militar de Lisboa e Óbidos.

 

Este evento contou com a presença dos alunos da casa, Algés, assim como os visitantes de  Aveiro, Barreiro, Braço de Prata, Loures e Óbidos.

 

Fernando Brecha e a sua equipa de instrutores conseguem fazer com que os alunos encontrem na modalidade uma motivação, o espirito de trabalho em equipa, educação e cortesia, e que se libertem de alguns dos seus fantasmas.

 

Aqui todos são importantes, os pais também entraram numa dinâmica do Mestre, em que puderam experimentar um pouco do trabalho com as armas históricas com o apoio dos professores da academia e os alunos.

 

A importância de todos serem intervenientes na Academia, nota-se na ocasião das fotos de grupo, em que entram todos os presentes na sala. Para Fernando Brecha todos fazem parte da equipa, assim como os pais são sempre convidados a estar presentes nos treinos.

 

Foto com o Mestre, instrutores, praticantes, pais, (todos os intervenientes) antes do início da aula

 

Ao longo de quatro peças que serão publicadas sequencialmente relativas à Esgrima Histórica e actividades paralelas a ela, nesta começamos por conhecer melhor o Mestre de Armas assim como a modalidade através de uma conversa com o próprio Fernando Brecha:

 

AMMA: Gostaria de lhe pedir para introduzir o que é a Esgrima Histórica e a sua diferença da Esgrima Olímpica?

 

Fernando Brecha: A Esgrima Histórica compreende o estudo  e interpretação  prática de manuais  antigos , textos que foram escritos por vários autores ao longo do tempo. Nós concentramo-nos essencialmente nos autores portugueses como por exemplo  Thomaz Luiz

 “Tratado das liçõens da espada preta e destreza, que hão de usar os jogadores dela – 1684.

DomingoLuisGodinho - A Artedaesgrima– 1599, ManuelMartins Firme , Espada Firme – 1744. A Esgrima Olímpica é praticada numa pista com catorze metros de comprimento, mais um metro e meio a dois metros de recuo. A largura da pista é de um metro e meio a dois metros , tem um sistema eléctrico e usa três armas: o sabre, o florete e a espada e nada mais do que isso.

Nós somos os herdeiros da verdadeira esgrima na minha opinião porque nós fazemos a interpretação daquilo que foi escrito, dos golpes, do tipo de equipamento ofensivo e defensivo assim como dos manuais, a forma de como nós usamos as nossas espadas e as técnicas que comportam a arte e engenho. Educação, formação , história e desporto.

 

AMMA: O que o levou a enveredar pela aprendizagem das várias modalidades que compõem a Esgrima Histórica?

 

FB: Primeiro eu trabalho na área de  História. Sou consultor do Museu Militar de Lisboa, do Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota, e estou muito ligado á área de história e do ensino pois fazemos apresentações temáticas de personagens históricas. Depois também sou Mestre de Armas não só por Federações Nacionais como também Internacionais, o que significa que ao longo dos meus anos tive que estudar Esgrima, os diversos estilos da Esgrima, as diversas formas de espada e a sua utilização enquanto ferramenta de ensino e desporto.. Portanto é uma questão de trabalho e de carreira profissional.

 

AMMA: Cada local de treino tem o nome de Sala de Armas, qual a origem dessa designação?

 

FB: É uma designação internacional que vem desde o princípio do século XVI, “La Salle des Armes”  é a sala destinada ao estudo da esgrima . Naquela altura não era como hoje, você tinha que aprender esgrima senão à noite a coisa era capaz de ficar complicada. Tinha que defender a honra, havia guerras… portanto a esgrima fazia parte da vida de cada um.

Aliás em Portugal nós tivemos excelentes esgrimistas, Em 1928, Portugal conquista a sua primeira medalha de ouro olímpica. Foi João Gomes que conquistou a primeira medalha de ouro numa prova da Taça do Mundo. Os portugueses conquistaram também medalhas de prata e bronze em Campeonatos da Europa de Florete e Espada, atingiram lugares nas finais de Campeonatos da Europa e do Mundo e foram campeões da Europa em Florete Masculino, por equipas, em 2000. Há cerca de 20 ou 22 anos a esta parte é que não temos representação ao mais alto nível na Esgrima Olímpica.

O que e que acontece com a Esgrima Histórica é que nós passámos em oito anos, de cerca de 1200 ou 1300 atletas, para cerca de 1,4 milhões o que representa uma subida astronómica… porquê? Porque é mais espectacular, é mais didática, alia três coisas fundamentais: a educação, a formação desportiva sem dúvida nenhuma, e a competição. Portanto quando juntamos esses três posso pegar e dizer a um miúdo “não vais competir, vais estudar”, “vais estudar história” ou “não vais estudar história, vais competir”, ou seja um miúdo tem opções . Os meninos que você viu aqui não são os meninos que jogam futebol, são os meninos que jogam xadrez, são meninos que sofrem de bullling, são meninos que são deserdados dos grandes desportos e fazemos  campeões do mundo. Você viu o que está aqui em termos de educação, bastava o juiz meter a mão na cabeça deles que ajoelhavam e nada mais. Viu algum acto de agressão? Mas viu muita adrenalina, muita garra, viu muito choro e lágrimas de quem perdeu, é normal… e viu os gritos de quem ganhou, mas viu alguma agressão ou violência? Não existe…

 

AMMA – Tem praticantes de todas as idades?

 

FB – Tenho.

 

AMMA – O que leva a uma criança ou um jovem a vir ter consigo para praticar?

 

FB – Olhe, a primeira coisa que me aparece aqui assim são os meninos que estão fora da sociedade. Fora da sociedade e de três maneiras: Aqueles que vivem nas periferias das cidades, que não têm possibilidades absolutamente nenhumas de praticar desporto porque não têm dinheiro e que nós oferecemos gratuitamente a educação e a formação, a única coisa que pedimos é que eles apareçam, que estejam cá. Pedimos aos pais que façam parte, você reparou que os pais estão aqui? Peço aos pais para se sentarem, para não interferirem. Os pais muitas vezes acreditam que os filhos precisam de ter um escape e eu transformo isto num jogo de xadrez ao vivo. Hoje o que você viu foi competição, mas na realidade há jogos, o apanhar a bandeira, eu desenho jogos de estratégias que começamos aqui e acabamos por exemplo no campo de futebol, onde os meninos têm que desenhar estratégias, podem-se esconder, mas sempre com as máscaras com o escudo, ou seja dou-lhes muito o aspecto lúdico e os que gostam mesmo de competição passo-os para ela, ou seja tenho vários estratos e os meninos com seis anos gostam de brincar e eu deixo-os brincar. Os meninos com 10 a 12 anos gostam da competição, gostam dos jogos, e eu pego em jogos de computador e transformo-os em jogos ao vivo, e depois dou-lhes outra coisa, já reparou que são equipas de três? Não há individuais? Não reparou que as equipas de três são obrigados a jogar todos juntos senão perdem? Já reparou que o grandalhão um tipo com força não vai a lado nenhum que os outros saltam-lhe em cima e resolvem o assunto? A ideia que eu tenho é isso: camaradagem, associação.

 

Gladiadores em competição - Equipas 3x3

 

AMMA – Falou há pouco quando da entrega de prémios às Salas de Armas da prova das crianças, que as crianças não pagam e já tem tido problemas por isso.

 

FB – Sim, há as Associações de Pais em que a maior parte delas colabora connosco, mas repare que há associações de pais que gastam dinheiro em monitores e têm que ser ressarcidas das suas despesas. Uma associação como a nossa que não recebe e não lhes paga é capaz de não ser assim bem-vinda. Qual é o objectivo? São as crianças! Qual não é o objectivo? É o dinheiro. Aqui assim há duas formas de ver: uma precisamos de dinheiro para pagar as nossas despesas, outra não cobramos nada você não tem despesas, ocupamos é um determinado espaço e é tão simples como isso. Qual é o seu objectivo, despesas ou crianças? A Associação de Pais existe para dinheiro ou para educar as crianças? Na vida nós todos temos dois objectivos, como na politica um servir o povo e outro servir-se a si próprio. Nós fizemos uma escolha, ajudamos os miúdos.

 

AMMA – As crianças dos agrupamentos escolares aonde têm salas de armas  praticam sempre gratuitamente?

 

FB – Sim.

 

AMMA – E nos equipamentos, têm apoio de alguém?

 

FB – Apoios de algumas Associações de Pais  e todos os anos nós fazemos eventos, nós os membros da Academia de Esgrima Histórica. Por exemplo na próxima semana temos um evento onde vão estar 400 crianças onde vamos apresentar uma personagem, neste caso será Luís Vaz de Camões e então cobramos a essas escolas e essa receita reverte para aqui. Nós vamos fazer uma apresentação, por exemplo no Palácio do Marquês de Pombal em Oeiras e cobramos e reverte para aqui. Os meus instrutores fazem demonstrações, sessões de trabalho, workshops, e trabalhamos e com parte do dinheiro pagamos as despesas e parte dele guarda-se,  ou seja é gasto nos miúdos. Nós não queremos dinheiro, nós não queremos que A, B, C ou D nos dê dinheiro.

Precisamos de equipamentos , cada equipamento que acabou de ver custa cerca de 300 euros.

Comprem-nos equipamentos, nós precisamos de equipamentos.

Só para ter uma ideia, nós fomos fazer um trabalho, certo? E nesse trabalho deram-nos o tatami e é usado, está ali e é nosso. Fomos fazer um trabalho e deram-nos balizas, e é usado. Robin Wood? Um bocadinho ..mas não… (risos).

 

AMMA – Uma questão muito oportuna para a sua área: Faz encenações e reconstituições históricas de médias as grandes dimensões?

 

FB – Sim, são os meus alunos que participam , e os pais também ajudam. Tenho aí um miúdo que é muito interessante, pois a professora estava a dar uma aula de História e a explicar o quadrado da Batalha de Aljubarrota, e de repente o miúdo disse: “Não foi assim… foi assim: o D. Nuno Álvares Pereira fez isto, rodou, rodou completamente…”, “Mas como é que tu sabes?” “Eu estive lá…” A professora olhou para ele: “O quê?”.

“Sim, senhora professora, eu estive lá…”

Eles vêm connosco, não sabe a alegria que tem um miúdo… nós fazemos ATL, o ATL significa que nós pegamos em 10 miúdos ricos e em 10 miúdos pobres. Uns de um sítio de Portugal e outros de outro sítio de Portugal. Não falamos de cores nem de raças, não falamos de nada. No primeiro dia tem grã-finos e a arraia miúda, no segundo dia só tem miúdos. E quatro dias depois quem é que os larga? Fazem grandes amizades , é isso o importante. A divisão social é quando não se sabe, não conhece, não olha e não troca ideias. Aí é que temos o problema, se as pessoas trocassem um bocadinho de ideias de vez em quando e deixassem alguns preconceitos... Preconceitos rácios, preconceitos financeiros, “eu ganho mais que tu ou tu ganhas mais do que eu”. Neste momento posso dizer tenho uma percentagem de alta de meninos e meninas com pais que estão divorciados. Os problemas muitas das vezes não são as crianças.

Pensem bem, o pessoal de 30 anos que quando quer um filho não pensa que são 20 anos de contrato social (no mínimo) . Pensem bem e depois os miúdos são complicados. E temos aí miúdos muito complicados mesmo. Depois temos uma Cátia…

 

AMMA – Conte-nos um  pouco do sobre o seu projecto para a Cátia.

 

FB – Adaptados. Estamos a treinar a Cátia para ser formadora de formadores. A Cátia quando veio para as nossas mãos ninguém podia tocar nela, tinha medo de uma máscara, tinha medo das pessoas, tinha medo de tudo… quatro meses depois é aquilo que você viu ali. Devagar , com calma com avanços e recuos, chegámos aqui e pusemos a Cátia a andar numa linha, pusemos a Cátia a trabalhar com os miúdos, chegámos aqui e tratámos a Cátia como nossa igual. Ela tem que comer connosco, tem que vir ter connosco pouco a pouco. Depois damos-lhe um encontrão, depois damos-lhe dois encontrões, depois vem para o pé de nós. Depois vamos fazer um combate com ela e ela fica aflita e tira a máscara e depois bate-nos.

E, tem a  Guida que está com ela. A Guida trabalha com adaptados, é mesmo o trabalho dela.

 

Cátia a trabalhar com a Guida e outro instrutor

 

AMMA – Na vossa Associação também têm crianças adaptadas? Têm diversidade de recursos ao nível dos instrutores?

 

FB – Sim, sim, este senhor que está aqui o França tem cursos para trabalhar com crianças, este senhor é engenheiro, aquele senhor que está ali é médico, aquele senhor que está ali é um segurança, temos uma grande diversidade aqui assim, o que é útil para nós.

 

AMMA – A modalidade que assistimos hoje, dos Gladiadores foi criada por vocês? Foi para atrair as crianças?

 

FB – Sim foi, para pegar em Esgrima Medieval, tirar a brutalidade e a violência, fazer com que os miúdos estejam protegidos. Fazer com que os miúdos possam descarregar. Fazer baixar uma coisa que existe em Portugal: a obesidade existe em 28% das crianças. Fazer uma coisa que é importante que é tirar os miúdos da frente do televisor onde passam cerca de 4 horas por dia. Tirar os miúdos do telemóvel, e fazer com que os miúdos deem encontrões uns aos outros.  Que os miúdos  venham brincar, venham brincar para a rua. Você reparou que eles andaram aí a correr e a brincar de um lado para o outro e viu algum telemóvel? É proibido! Os pais podem ter, os miúdos não podem ter. Andam a brincar, andam a correr, são miúdos. Vamos deixá-los ser miúdos. Depois começa o sentido de responsabilidade. Quando poem a máscara começa o sentido de responsabilidade para defender a equipa. Você ouviu “Algés – Algés”, “Barreiro – Barreiro”, ouviu os gritos? Aquilo significa coesão. É o que nós pretendemos. Os seres humanos que vão para as claques de futebol têm que aprender uma coisa, É DESPORTO! Desporto significa que uns ganham, outros perdem, e que há respeito. No outro dia estava fazer um trabalho, e estava a apresentá-lo na Faculdade onde disse: “o que me aborrece no século XXI é que continua a haver escravos, compra-se e vende-se pessoas e vocês concordam”. Aquela malta ia-me comendo toda. Quanto custa um jogador de futebol ? Quando ele assina, compra-se e vende-se, o que é isso?

 

AMMA - Referiu algumas vezes que irá decorrer um grande evento internacional. Relativo a ele gostaria de perguntar onde e quando irá decorrer e quais os países estrangeiros que estarão representados?

 

FB -  Vai decorrer um grande evento internacional de Esgrima Histórica para breve. O Campeonato do Mundo de Artes Marciais nas Caldas da Rainha nos dias 3, 4 e 5 de Abril. Na nossa área especifica estão representados: Portugal, Espanha, Rússia, Chile, Israel e Inglaterra.

 

AMMA - Portugal vai ter atletas de que armas e de que Salas de Armas?

 

FB – As modalidades serão: Jogo do Pau, Gladiadores, Espada Longa, Espada Rapier, Sabre e espada Infantil.

Em breve teremos uma conversa com dois jovens praticantes de Esgrima Histórica, o Francisco de oito anos nos Gladiadores e a Cátia Tavares de 22 anos, autista e está a ser treinada para ensinar Esgrima Histórica a crianças também autistas.

 

Mestre, Instrutores e Alunos da aula de adultos com as armas

 

Mestre Fernando Brecha com duas alunas e a arma o florete

 

Até breve!

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

(visite o álbum fotográfico em: Fotorreportagens)

 

Periodicidade Diária

quarta-feira, 12 de agosto de 2020 – 22:00:45

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...