18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Andreia Sousa desabafa sobre as mulheres na competição

2ª classificada na pista, Andreia Sousa viu o seu resultado em Montalegre ser arruinado na “secretaria”, devido a uma penalização de 5 segundos que a atirou para fora do pódio final. A vimaranense considerou injusta a decisão e pondera abandonar o campeonato.

 

Mas até à desilusão, o caminho desportivo foi entusiasmante e de um nível fantástico.

Andreia Sousa andou que nem uma “leoa” ao longo de todo o fim-de-semana, discutindo taco-a-taco a supremacia na Divisão Nacional 2RM do Campeonato de Portugal de Ralicross by Transwhite.

“Fui para Montalegre focada em vencer, pois sabia da importância desta prova. O campeonato dobrava aqui o meio do calendário e o resultado final de Montalegre mostrava-se muito importante”, lembrava Andreia Sousa, com a vimaranense a também depositar muitas esperanças “no fantástico trabalho técnico que a minha equipa tem feito para evoluir o Peugeot 306, que agora já está ao nível dos carros dos nossos adversários”.

 

Obteve o 3º tempo nos treinos cronometrados, almejando estar sempre na luta pela frente da corrida nas três mangas de qualificação, mesmo tendo de enfrentar alguns incidentes e toques sofridos, terminando a Q1 e a Q3 em 3ª e alcançando o 5º posto na Q2, resultados que a colocaram na primeira fila a grelha de partida para a final.

 

E aqui, Andreia Sousa subiu ainda mais o nível exibicional, fazendo uma excelente partida e chegando “no “musculo” ao 2º lugar, que defendeu com unhas e dentes dos ataques até à bandeira de xadrez.

“Foi uma final espetacular, renhida até ao fim. Estive na luta com um dos meus principais adversários, mas consegui manter me firme e segurar o 2º lugar, vindo mesmo o meu adversário felicitar-me pela minha exibição!”, recorda Andreia Sousa.

 

Mas o pesadelo estava para acontecer. A piloto viu-se relegada para o 4º lugar, mercê de uma penalização imposta pelo Colégio de Comissários Desportivos, na sequência de um toque que, na opinião do colégio, teve responsabilidade da piloto do Peugeot 306.

 

Andreia Sousa não esconde a sua revolta: “terminei a prova com os meus objetivos cumpridos,  mas infelizmente conseguiram estragar não apenas o resultado, mas também as minhas aspirações quanto ao título, atribuindo-me a culpa num toque que dou num carro de um adversário que vem descontrolado para a minha trajetória após ter tido uma saída de pista!”.

Para Andreia Sousa é “inaceitável a dualidade de critérios. Sofri toques de vários adversários ao longo de todo o fim-de-semana e nada lhes aconteceu e num toque furtuito, sem culpa alguma, nem minha, nem do meu adversário, penalizaram-me injustamente. Conseguiram estragar-me o campeonato!”.

 

A piloto saiu de Montalegre “muito magoada com quem manda neste desporto, porque vejo que sempre que termino nos lugares mais cimeiros do pódio existem polémicas. Não quero crer, mas parece que para alguns responsáveis e comissários da modalidade uma mulher vencer ou ir ao pódio é inaceitável, porque ainda dói a muita gente. Estamos no século XXI e uma mulher ainda não pode vencer ou andar na luta como os homens na competição!”.

 

Andreia Sousa sai de Montalegre “de cabeça erguida, mas, sem saber o rumo que irei tomar quanto ao campeonato. Não sei se irei continuar na luta e, se o fizer, será pelo respeito aos meus patrocinadores, pois a eles devo tudo. Foram eles que me colocaram onde estou hoje”.

 

Periodicidade Diária

sábado, 25 de maio de 2024 – 05:15:23

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...